Fenapro

Banner
15/07/2008 - IV Congresso - "O grande desafio desta comissão é descentralizar a comunicação" PDF Imprimir E-mail

Descrição: http://fenapro.org.br/imgs/palestrante.jpg"Palestrante apresentou um diagnóstico detalhado da economia brasileira

Os trabalhos da comissão A Realidade dos Mercados Regionais foram abertos por Ricardo Nabhan, presidente da Fenapro e da ZN Marketing de Campo Grande (MS). Em seu discurso inicial, Nabhan afirmou que o grande desafio do painel é descentralizar a comunicação. 'Devemos tratar de uma maneira ampla o rico cenário da realidade brasileira e discutirmos as particularidades e valores das diferentes regiões do país.'

Considerando que o Brasil é um país de dimensões continentais, com povos de múltiplas identidades, Nabhan disse que, espantosamente, as culturas regionais sobrevivem aos efeitos da globalização e ao avanço das tecnologias. 'As pessoas ainda se mantêm fiéis às suas origens e costumes. Cultivam a arte popular, artesanato, hábitos de consumo, folclore, músicas, danças, culinária - características muito particulares.'

A riqueza desta diversidade já foi percebida por muitas empresas que passaram a fabricar produtos customizados/personalizados para cada uma dessas regiões. 'Falar de uma maneira única para a população brasileira, é ignorar essa diversidade.'

Dentre os pontos importantes que precisam ser trabalhados, Nabhan destacou: estratégias de venda e divulgação que levem em conta as características locais; profissionais conhecedores das particularidades das regiões; reformulação da regulamentação do setor, para que as pequenas empresas regionais tenham oportunidade de se estabelecer.

O presidente da comissão ainda afirmou que oferecer oportunidades aos profissionais regionais é uma maneira do mercado absorver novos talentos.

O jornalista e economista George Vidor, palestrante convidado, apresentou um panorama da economia brasileira, que qualificou como uma esfinge. 'É muito difícil fazer previsões para os diversos segmentos de mercado. As indústrias de celulares, cimentos e carros, por exemplo, surpreendem muito.'

Vidor diz que o mundo se encontra em um cenário complicado. O preço do petróleo chega a níveis exorbitantes. A China, que antes era responsável pelos baixos preços, agora é o provocador dos aumentos. 'O mundo depende hoje do destino da China - que tem uma inflação beirando 10% e isso pode transbordar para o mundo, causando um turbilhão de instabilidade.'

Apesar deste cenário, o palestrante considera que o Brasil vive um momento favorável na economia e deve continuar crescendo 5% ao ano: com geração de emprego formal e ampliação da renda per capita.

Vidor ainda arriscou algumas previsões: 

- Juros continuam em alta: 14% (até dezembro)
- Câmbio - o Real continuará valorizado (sobram dólares no país)
- Crédito - A classe C está ansiosa por consumir. O aumento do crédito, que ainda é muito incipiente, é a mola mestra do crescimento.

No ponto principal de seu discurso, Vidor explicou porque a publicidade brasileira concentra seus investimentos em determinadas partes do país, com a apresentação de dados que mostram a disparidade econômica entre as diferentes regiões.

O estado de São Paulo representa 34% do PIB brasileiro e apenas região metropolitana da capital concentra 15%, o que corresponde ao montante de todo o Nordeste. Cinco municípios de São Paulo representam metade do PIB do estado e 50% da população vive em 100 cidades.

No entanto, Vidor prevê mudanças significativas na conjuntura sócio-econômica do País. 'Investimentos âncoras estão acontecendo em todo Brasil e muitas regiões se beneficiarão com o surgimento de novas refinarias, estaleiros, dutos, ferrovias, portos, hidrelétricas, siderúrgicas e mineradoras.' Esta nova estrutura econômica forçará a indústria da publicidade a se reconfigurar e considerar o Brasil como um todo."

 
Você está aqui: Home Institucional Galeria de Fotos IV Congresso Brasileiro de Publicidade Clipping 15/07/2008 - IV Congresso - "O grande desafio desta comissão é descentralizar a comunicação"